Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

8 de janeiro de 2006

Vida Sim Drogas São

Na noite escura, caminho desenluarado sem rumo certo, o vento brando a me impelir soprando de trás, amena temperatura a menos que esfrie mais. Grilos, sapos e cigarras calam o silêncio povoando o breu com seus sons geométricos. Os pés roçam a grama que não farfalha mais do que a relva mediana que acaricio com as costas das mãos. Sutil, o plano se inclina e sem engano elevo minha calma, paralelamente ao esforço. Penso em atingir o cume sem olhar para trás. Sei de cada passo; a perna que pisou por último é o próximo passo. Galgo, no topo, a visão de uma escuridão onde posso me perder se não quiser esperar sentado pelo meu despertar, o despertar do dia. Sem meta e sem pista paro, indeciso. Então grito:
- Haja luz!
E do mato ouriçado vem um clamor silvestre de vida, o regozijo existencial da natura profanada em seu sono, bravia que brilha. No pretume noturno vejo pequeninos pontos de volátil incandescência emanarem mágicos da erva como fabulosos fogos fátuos que vêm a mim e me cercam enxameando meus olhos pisca-piscantes de incredulidade. Iluminam a caminhada acompanhando-me rumo a algum caminho certo; sigo sem parar novamente, mais e mais lento, sem pessa e rumando apenas, a medida em que vou colhendo do ar os vaga-lumes para fumá-los com deleite fantástico, soprando na brisa uma fumaça de sonho pirilampejante.