Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

19 de janeiro de 2006

A mulher ideal sem um ideal

Ela já fez cirurgia plástica em tudo quanto é lugar, apesar de ter nascido bonita e ainda ser jovem. Sabe tudo de maguiagem, "estética", tratamento de beleza... Não consegue mais lembrar da cor original do cabelo e nem quer se lembrar mais da forma original de seu corpo. Frankenstein é um meio do qual Afrodite é o fim.(?) Nem tudo porém é plástica, silicone é outra coisa. Cai sempre no assunto "ela mesma" mas não cai em si. Domina o assunto perfume, banho nem tanto. A moda é o único Deus e o outdoor é seu profeta. Conhece os caminhos apenas pelas vitrines. Ela adooora roupas. Coleciona sapatos. Gasta em bolsas o que embolsa. Precisa das dicas das revistas como das próprias vistas. Especialista em pele, ph.D em ficar pelada. Tratamentos não tratam a mente. Usa cremes, freme o tempo que teme; lambusada, é a musa do que usa. Não aparenta o que aprecia, aprecia a aparência. Carros grandes ornam com suas pequeninas sobrancelhas; diamantes verdadeiros combinam com seus cílios falsos. Ela faz regimes para compensar o peso que adquire com as jóias. Unhas são um capítulo a parte em sua vida. É ela mesma sua mais cara máscara.

O homem ideal sem um ideal

Ele não se acha machista, acha-se erudito, mas só erude falácias de botequim que ouve ou lê aqui e ali; reproduz frases de personalidades históricas, sobretudo as televisionáveis, que concordam com suas convicções chauvinistas. Esportes são do caralho. Usa meia na cueca e isso coça. Desdenha as mulheres como desdenha a própria mão da qual mal se desmamou. Não trepa só se masturba mas não por ideologia, por pressa. Vive repercutindo as superioridades masculinas, a contar vantagem de si próprio, levando sua insistência no mesmo assunto às raias do monocordismo, quase sempre fazendo gênero. Barba estudadamente por fazer, da altura do cabelo reco. Não ser ou cerveja? Baixos instintos na superfície, baixa auto-estima no fundo. Carros são do cacete. Cobre-se de altivez ao tentar resguardar seu mesquinho quinhão. Um maiúsculo H será seu crepúsculo. Ele é homófilo, ele é homofóbico; enrustido. Quer mesmo é dar o cú e não se permite, sangria que não admite. Obtuso no uso da razão pela qual ejacula e não consegue gozar. Fálico falastrão que oculta seu desempenho sexual anão. Apolo castrado, Édipo jamais perdoado. Em si mesmo um tragicômico atavismo. O frágil covarde, que pinta impotência com cores de intransigência, o macho se alarde.