Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

31 de julho de 2007

Procura-se-me Urgente!

Homem ocidental branco, educado e trabalhador, de origem luso-ibérica, jovem adulto brasileiro, de formação judaico-cristã não ortodoxa, magro de altura mediana, heterossexual de classe média, procura por si mesmo, o outro. Quem o identificar favor informar-me a identidade à paisana dele, a secreta eu já conheço. Não o agridam antes de perguntar a ele por onde andou, se ainda se lembra de tudo e se ainda me quer ser.
.

26 de julho de 2007

Mitografia

Nunca creias no verso lindo
Não estou a colorir a verdade
Eu que estou apenas mentindo
Artifícios sobre uma realidade
.
Faço crer em uma convincente fantasia
Estou sendo autêntico falsário da ilusão
Reelaboro as certezas como à joalheria
Para causar a melhor errônea impressão
Um conto de fadas que não se evidencia
Conto com inobservada falta de atenção
Cruzando essas pernas curtas de bijuteria
Para usar do simulacro ou da simulação
.
As fachadas mais sólidas com gesso
É fato que construo, tijolo por tijolo
Encubro com o rococó pouco espesso
De dezoito quilates por ouro de tolo
.
Desconfies sempre que me ver caricaturar
Sou aquele que promete quebrar um juramento
Procures-me nas entrelinhas que sei maquiar
Para que só me julgues por aquilo que aparento
Acautela-te com o esse perjúrio subliminar
Entendas que não o faço por arte de fingimento
Saibas que vais perder-te ao saber te achar
Ajo assim pelo teu, meu, mútuo entretenimento
.
O real significado sempre se escapa
Faço assim pois precisas ludibriar-te
Nunca mais julgues o livro pela capa
A vida sublimada se desvela em arte

24 de julho de 2007

Pocilga Literária

O ofício de trabalhar com tinta tem algo de porco. A proximidade com algo que mancha, borra... Sobretudo o escritor, que trabalha com o absurdo e a desgraça da condição humana, filtrando os detritos da sociedade. Tento melhorar o papel em branco, mas enquanto o faço, às vezes, sinto que estou fazendo somente gastar tinta e sujá-lo, mas continuo escrevendo; parece-me que lanço uma quantidade infinita de signos na página, cada um deles um argumento, cada palavra querendo discordar inutilmente do nada, do vazio do papel. A estúpida suposta pureza do branco entre linhas finas é dado, é o anfitrião, e o escritor é o visitante rude e agressivo que discute acaloradamente com ele, o primeiro é calado e ataráxico, argumenta apenas com seu silêncio sereno e pacífico, e o segundo é um ignorante falastrão que nunca quer ceder e que só acha que convence pela violência barulhenta das letras e dos fonemas, agride-o com tinta. Quando o redator se cansa e vê o que fez, percebe que só fez sujeira, um servicinho asqueroso e nojento, com seus garranchos ele embute na página com extremo exagero seus desconexos argumentos: pensamentos gordurosos e miudezas estéticas encobertos por uma fina película de incapacidade intestina. A página ainda assim contem mais branco do que tinta, o que o motiva a recomeçar. Carrega nas tintas. Literatura é uma porcaria, escreve bem quem melhor sabe encher lingüiça.

23 de julho de 2007

Onívorofertório

.
a maçã na boca da carnificina
fazendo com tripas, coroação
boas intenções ao molho pardo
visceral é faltar três refeições ao dia
.
pedo-fagismo lambe-dedos
.
quem são essas pessoas que se alimentam de outras?
vamos comer fora, auto-flambado, mais um tibetano!
sobre as ruas roem as sobras
.
barrigadas de sensaboria frugal
refém são de massas mero palativo
.
... moralmente, onde a fome nos serve...
ao sugo siciliano o nosso prato mais caro nada
...quando expira, esteticamente, o banquete...
balas perdidas que não acham doces bárbaros
...a vingança gulosa, como se cruamente...
.
é voraz como degusta o comensal
o mal passado é apenas o aperitivo
.
filé mignon da crítica literária
à força de um es-quar-te-ja-men-to se desfaz a união?
hoje foi dia da carcaça, amanhã será do conservador!
.
tele-culinária anti-coagulante
.
ovelha podre ou maçã negra
fundamentos da violação carismática
a nossa veia democrática em sangria
nessa vida, desossei-o, mas há flores

18 de julho de 2007

Contra a Poesia

.
Desde que me alfabetizei, leio; desde que soube como ler, escrevo; fazendo-o mais e mais, até artisticamente, desde então. Com isso - ser escritor - não consegui muita coisa na vida, pelo contrário... é um fardo pesado que carrego como karma, um destino trágico do qual não pude fugir; ainda por cima, tornar-me poeta somente trouxe-me revés e desdita, desgraças mesmo. Tornei-me uma pessoa pior, ao ponto de por vezes me perguntar se ainda sou digno de me intitular "pessoa", título que por si só já seria uma maldição, filosoficamente. Estou citando, não recitando.
.
Algo como um sacerdócio que me marcou profunda e indelevelmente ao buscar ser um poeta experimental, levando uma vida experimental. Tudo o mais que existe, eu perdi. Posso me considerar o maior derrotado, perdedor, na medida em que fui extraviado da vida normal, morna e confortável, de toda a gente; sem deixar o convívio dessas gentes e de ser eu mesmo mortal. Carrego esse dom como um aleijão, um horrível terceiro braço que quando não está escrevendo serve para me mutilar; sou mais de um agora, mas esse outro ente terrível que também sou eu, eu carrego comigo para outro e um lado como irmão siamês que me dita o melhor da vida, e me interdita ao tentar desfrutar dela. E eu um dia QUIS tudo isso. Sou um iniciado, agora que tudo está terminado.
.
Já não acredito em Deus ou no Diabo, além (ou aquém) do mal e do bem; se há outra forma de vida fora da Terra, é inteligente o bastante para não vir se perder por aqui; não tenho esperanças de revolução alguma que nos redima ou melhore o mundo, sendo mais do que um pessimista ou niilista, um cínico; entrei em um processo sem volta de transgredir quaisquer limites que me impunha antes a minha humanidade perdida. Como outros como eu, cruzei as portas da percepção, olhei de frente o cintilante conteúdo das latrinas; fui a autêntico ladrão de fogo e antena da raça; recebi a visita do anjo torto que me madou ser gauche na vida, experimentei em mim todos os venenos, fiz-me louco e vidente com um completo e racional desregramento de todos os sentidos; inalei perfumes de carcaças e cabeleiras; morri muitas mortes difíceis como partos sangrentos; viajei o mundo em busca de mim e perdi meu tempo procurando por mais lembranças. Morro pré-natal pois nasci póstumo. Tenho vários livros escritos que ninguém ainda pôde publicar. A Poesia é um tipo de monstro de vanguarda, defendei-vos dela vos fazendo gárgulas... ponde uma carranca na linha de frente do vosso analfabetismo poético. Olhai e não passeis!
.
Não queirais ser poetas, vos vaticino o futuro e assim vos aconselho. Não busqueis ser mais profundos, toda Arte é completamente inútil. A Poesia não está nos livros, está na vida, não a reproduzais, gozai-a. Não queirais criar mais Beleza escrita, que tanto mal faz a quem a aprecia, que rapta e mantém cativos àqueles fetichistas que sem nenhuma ingenuidade a idolatram. Mantende-vos puros e afastados disso, é um perigo e vossa felicidade pode estar em risco. Sede simples, nascerdes humanos já foi algo demasiado complexo para uma única existência, a ataraxia deve ser o caminho mais certo para a felicidade. Não vos inflijais tal ônus; sabeis que vós não preciseis de nada disso, ainda que a própria Poesia vos diga ao pé do ouvido que precisa de vós. Eu vos admirei e invejei em segredo pelo que não sois. Estas palavras não querem formar uma peça artística, não são obra de ficção; não querem servir outros, apenas a vós mesmos... por amor de vós, deixai-as calar profundamente em vossos corações e tende em mente que podem ser um último aviso. Não vades por aí... hipócritas leitores!
.