Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

28 de agosto de 2007

Tutti Fucking Frutti

Sim nós damos muita banana
Mais algum mofado morango
Desengomamos toda tangerina
Peésse aveludado de pêssego

Temos fome de carambola
Não deixamos para depois cajá
Com amor namoramos amora
Antes que engavetemos maracujá
Agudamente recordamos graviola
Enérgicos como é o guaraná

Damos pano para manga
É mesmo o bicho a goiaba
Revestimos pi com pitanga
Com um olho de jabuticaba

Sempre alcanças se és pêra
Entres nessa ou te ponhas açaí
Leve o peso no pescoço a melancia
Inesperadamente alguém nêspera
Com brim dessa cor assim caqui
Som da capa do livro que lichia

Não proibimos nenhuma maçã
Acastanhamos travas de caju
Como acolhemos bem a romã
Tal qual se fosse um cupuaçu

Amuleta-nos o figo
Esbagaçamos laranja
Alberga-nos damasco
Desescrotamos cada kiwi
Barbeia-nos a toranja
Problematizamos abacaxi

Adoramos o melzinho do melão
O disco azulado é um outro araçá
Azedinho e doce como é um limão
Catado do chão de sombra de cajá
Tendo de ser bem macho o mamão
Para encarar algo como o jatobá

Dengoso é o dendê
Lá do cerrado pequi
Laureado o abacate
De muita fibra o buriti

Esse cacho que se advinha é de uva
Proeminente a pequenina framboesa
Pulsa como a compulsão da jujuba
É um deixe-a ou ame-a de ameixa
Fruteira onde cabe até a macaúba
No topo deveria ter vindo a cereja