Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

2 de outubro de 2007

Everland

O vício é um hábito
Lugar que se freqüenta
Seguindo sinistra a estrela
E então até o último anoitecer
A primeira velhice é a que fica
Segunda infância que nos escapa
Seduz-nos com um canto de sereia
Faz-nos esquecer do que nos enfada
Captura-nos como se fosse um gancho
Faz-nos presas nas presas do crocodilo
Todavia anti-horário nos desespera
Síndrome que nos conduz aquém
Acham-se garotos perdidos
Na terra do sempre
.

Hipergrafia

Com ou sem título? Primeira linha... Parágrafo! Letra maiúscula:

O ideal, os ideais... uma palavra; a palavra, as palavras... uma frase; a frase, as frases... um parágrafo; o parágrafo, os parágrafos... uma página; a página, as páginas... um capítulo; o capítulo, os capítulos... um livro; o livro, os livros... uma obra; a obra, as obras... uma literatura; a literatura, as literaturas... um ideal.

Cúmulo do acúmulo, mais se escreve do que se lê, notas de rodapé para o Nada!

Entre tantas letras... acentos, idéias, vírgulas, idiomas, interrogações, linhas, reticências, folhas, ponto-e-vírgulas, capas, exclamações, estantes, parêntesis, bibliotecas, asteriscos, rimas, números e culturas... mas onde o ponto final?