Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

13 de agosto de 2007

Nuvens

.
As nuvens pareciam fantasmas
Os fantasmas pareciam verdades
As verdades pareciam problemas
Os problemas pareciam solidões
As solidões pareciam subterfúgios
Os subterfúgios pareciam liberdades
As liberdades pareciam tédios
Os tédios pareciam notícias
As notícias pareciam desejos
Os desejos pareciam alquimias
As alquimias pareciam amores
Os amores pareciam violências
As violências pareciam prazeres
Os prazeres pareciam mitologias
As mitologias pareciam perfumes
Os perfumes pareciam linguagens
As linguagens pareciam espetáculos
Os espetáculos pareciam viagens
As viagens pareciam desesperos
Os desesperos pareciam miragens
As miragens pareciam pânicos
Os pânicos pareciam amizades
As amizades pareciam pudores
Os pudores pareciam dúvidas
As dúvidas pareciam incêndios
Os incêndios pareciam torturas
As torturas pareciam discursos
Os discursos pareciam loucuras
As loucuras pareciam tempos
Os tempos pareciam possibilidades
As possibilidades pareciam boatos
Os boatos pareciam traduções
As traduções pareciam exibicionismos
Os exibicionismos pareciam digestões
As digestões pareciam orgulhos
Os orgulhos pareciam memórias
As memórias pareciam atrasos
Os atrasos pareciam traições
As traições pareciam isolamentos
Os isolamentos pareciam festas
As festas pareciam rancores
Os rancores pareciam músicas
As músicas pareciam retornos
Os retornos pareciam nuvens
.

Ufano


E daí se embora heróico, nosso povo não tivera suficiente braço forte para conquistar o penhor de uma igualdade qualquer? És sim Pátria amada, idolatrada! Nem tão risonho e límpido tem estado nosso formoso céu; ocultando, ás vezes, a própria imagem do Cruzeiro. Tenho-te ainda como gigante, continuas belo, forte, impávido colosso; embora para "persona non grata" teu futuro não espelhe tal grandeza. Sinto-me filho desta mãe. "Mãe terra", "mãe ar" e "mãe mar", abomino teus opressores - diretos e indiretos - pois, dentre meus irmãos, acham-se alguns ingratos desnaturados... deles, há uns que optam por ferí-la em crítica; outros, tapeá-la como se caduca fosse. Mas tua mais infame cria é aquela que não te acredita, achando que permanecerás deitada eternamente em berço esplêndido. Sempre terás mais risonhos, lindos campos do que a mais garrida terra. Declaro-me perante ti, mãe, símbolo de amor eterno. Adoro-te, mãe gentil. Permaneço fiel a ti e a teu escudo verde-louro disposto em forma de flâmula. Prova-me levantando tua clava da justiça e verás que eu, filho teu, jamais fugiria à luta. Comprova e aprova meu laço contigo, ó Pátria amada, Brasil!