Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

15 de junho de 2007

A Necrofilia da Arte

Eu estive em Paris fazendo Arte

e visitei os cemitérios de Montmartre,
Montparnasse e Père Lachaise...

não morram de inveja!



Marcel Proust
.

Jean-Baptiste Poquelin (Molière)
.
Vaslav Nijinski
.

Amedeo Modigliani

.

Theóphile Gautier
.

Jim Morrison

.


Guillaume Apollinaire

.

Gustave Doré

.

Henri Beyle (Sthendal)

.

François Truffaut

.

Gérard de Nerval

. Frédéric Chopin
. Jean-Paul Sartre & Simone de Beauvoir
.

Heinrich Heine
.

Charles Baudelaire

.

Honoré de Balzac

.

Edgar Degas
.
Émile Zola
.
Jean De La Fontaine
.
Oscar Wilde
. Julio Cortázar

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Soneto Velado

No início era a treva analfabeta
Superada já nasce a vanguarda futura
É passado o tempo da ampulheta
Jaz no mim dos centos tal literatura

Necrópole ou biotério?
Morra pela hipérbole!
Biotério ou necrópole?
Viva pelo cemitério!

Viuvez menos marmórea seria matar
Frieza mais letárgica será enterrar
Morbidez menos mortal seria profanar
Certeza mais incorpórea será ressuscitar
Palidez menos trágica seria assombrar
Beleza mais abismal será epitafiar