Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

16 de janeiro de 2006

Vertido

É chegada a hora, a derradeira hora. Ora ora ora... quem poderá me deter? Todos e ninguém. Irei contra dEUS e o mundo. Nada restará do Nada que aqui estou. Deixarei demolidas até mesmo as ruínas; no final não sobrará nem um só som, pois todos, em uníssono, serão ruídos. Terei a minha vingança. Assim amargo lá docemente tenho preparada já a marmelada. Quem entender nada compreenderá. Aproxima-se o tempo em que irei me ultrapassar, eu estou agora já uma palavra à frente, é impossível aqui me alcançar. Não adianta... atemporal e eterno e até pontual, movendo as voltas todas sem rodeios, não obstante despercebido, ávido a retratação havido iretratável, a enrolada retórica rocambolesca, com encantamento impreciso que arrisco, a desestabilizar o sumo do supra, ressurjo espiralado mas mais fumarento, embromo narrativo rebelado, teletransporto minha má criação, miro o delírio e zombo metido, giro e assim rodando me viro, esvaziando poemas, estou tão múltiplo na multidão, troco e me destroco eu me embaralho de lugar, para desentronar o grande ânus letivo, cada um sou eu e não saberás, num canto com este Livro armado em retiro, desmarco o caminho para então despistar, ninguém presta a menor atenção e apesar de tudo ainda me prestam toda a atenção. As palavras: mágicas. Encarno aqui e agora...
...eu hipnotiso àquele que me psicografa.