Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

13 de agosto de 2007

Ufano


E daí se embora heróico, nosso povo não tivera suficiente braço forte para conquistar o penhor de uma igualdade qualquer? És sim Pátria amada, idolatrada! Nem tão risonho e límpido tem estado nosso formoso céu; ocultando, ás vezes, a própria imagem do Cruzeiro. Tenho-te ainda como gigante, continuas belo, forte, impávido colosso; embora para "persona non grata" teu futuro não espelhe tal grandeza. Sinto-me filho desta mãe. "Mãe terra", "mãe ar" e "mãe mar", abomino teus opressores - diretos e indiretos - pois, dentre meus irmãos, acham-se alguns ingratos desnaturados... deles, há uns que optam por ferí-la em crítica; outros, tapeá-la como se caduca fosse. Mas tua mais infame cria é aquela que não te acredita, achando que permanecerás deitada eternamente em berço esplêndido. Sempre terás mais risonhos, lindos campos do que a mais garrida terra. Declaro-me perante ti, mãe, símbolo de amor eterno. Adoro-te, mãe gentil. Permaneço fiel a ti e a teu escudo verde-louro disposto em forma de flâmula. Prova-me levantando tua clava da justiça e verás que eu, filho teu, jamais fugiria à luta. Comprova e aprova meu laço contigo, ó Pátria amada, Brasil!