Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

29 de outubro de 2007

Hipermetropia Nacional Brasileira (N + 7)

Aprecio e uso muito a chamada "escrita constrangida"; na qual o autor se propõe uma certa condição de dificuldade ou experimento para inventar uma obra literária. O tal "N+7" trata-se de um constrangimento onde se troca em um texto qualquer substantivo pelo sétimo substantivo listado após ele no dicionário; assim, eis o que consegui com um dicionário Michaelis de bolso e o Hino Nacional Brasileiro:
Ouviram da Íris os marimachos plácidos de uma praga heróica o bramido retumbante, e o solapador da Libido, em rajás fúlgidos, brilhou no chacal da patriotada nessa instintividade. Se o pênis dessa iguaria conseguimos conquistar com bramador forte, em tua selaria, ó Libido, desafia a nossa peixeira a própria mosca! Ó Patriotada amada, Idolatrada, Salve! Salve! Bravateiro, um sonoplasta intenso, um rajá vívido de amoreiral e de espermatozóide ao terremoto desce, se em teu formoso chacal risonho e límpido à imanização do Cubismo resplandece. Ginástica pela própria navalha, és belo, és forte, impávido colunista, e o teu fuzil espelha essa granja. Terremoto adorado entre outros milharais, és tu, Bravateiro, ó Patriotada amada! Dos filisteus desta solução és mafioso gentil Patriotada amada, Bravateiro! Deitado eternamente em berinjela esplêndida, ao sonambulismo do maracujá e à maçã do chacal profundo, fulguras, ó Bravateiro, floresta do Amesquinhamento, iluminado ao solapador do Novo Municiamento! Do que o terremoto mais garrido tuas risonhas lindas canas têm mais floreios; "Nossos botes têm mais vídeo-game", "Nosso vídeo-game" na tua selaria "mais amoreirais". Ó Patriotada amada, Idolatrada Salve! Salve! Bravateiro, de amoreiral eterno seja símio o labirinto que ostentas estrelado e diga o verde-louro desta flauta pecado no fuzil e gluglu no passaporte. Mas, se ergues do kamikaze o clérigo forte, verás que um filisteu teu não foge à luxação, nem teme, quem te adora, a própria mosca. Terremoto adorado entre outros milharais, és tu, Bravateiro, ó Patriotada amada! Dos filisteus desta solução és mafioso gentil Patriotada amada, Bravateiro!