Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

11 de outubro de 2007

Psicodelia e Escrevia

Livro me dédalo da pseudo li beiral idade Ylu estrada D arbítrio & perco me em apoteose D edições auto grafadas por poetas punhetas ex pére me em tais que ene-a-ó-til lê vão vi da ex Peri mental por ríssima nem huma. Qhero? Tenho a im pressão fac similar que ene-a-ó-til. A li sem sapo ética é mero maneirismo D quem ainda C prende A querer es crer ver 100 ter li do 1(hum) mínimo. Pois é... O Q signo e fica isso é Em si gnificante à luz D Q o ato de qual quer hum L.E.R. é “Lesão por Esforço Repetitivo”. Pois ene-a-ó-til é Q C precise ter muitos tomos & aprisioná los nas estantes, basta tomá los & ver O Q tem dentro; ene-a-ó-til dentro do volume, mas O volume do Q C tem na cabeça. Ler é parte si par ativa mente do ESC rito. Ex crever sim é coisa para C ser expectador, deixe ando O escrito A penas ser expectorado. Certo? Ágora Q per corri tantas páginas, reco-recomendo Q entressaias bisbiliota da história dos versos & do verso das histórias, éstuparando o entendhímento da língua última deflorácio, perscrutando & perscozinhando com temperos D tua vertiginosa têmpera. Labirinteraturizarte por ID-é-ias artísicas ene-a-ó-til vale huma vírgula ser quer...quer ser 1 per Dido? Junte C ao clube & bem vim do sim será m’ente. Parazer. O papel a seita tudo. Há conselho te A começar logo Q hum LOGO não re quer Logos. Com meçar sem medir me ias palavras psico grafando o Q já ex tá escrito. E re - re - re lendo, C possível, antes mesmo D C por a ler.