Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

14 de novembro de 2008

Melissas (* e **)

"Trabalho é o refúgio dos que não têm nada para fazer."

"Estamos todos na sarjeta, mas alguns de nós olham para as estrelas."

Oscar Wilde


Lembro quando mascamos cidreira pela primeira vez. Era tanto sangue, que a gente ria vermelho. Mas a gente ria. Por enquanto, não estou bem certa sobre onde estamos; essa poeira, esse enxofre todo. Uma igreja, ou um puteiro; vai saber. As paredes se fecham sobre nós do mesmo jeito. A barriga congela tantas vezes por minuto que minha saliva está em neve, pelos cantos da boca. Porra, isso aqui é tão escuro que não sei se você chora quando digo essas coisas. Talvez seja melhor. Um quê de sufrágio por baixo dos panos, como as beatas. Você sabe. Ao menos, no breu a gente ilumina aqui dentro, a partir dos ossos. Os ossos... Deskullpe, não notei que pensava outra coisa. Não tem eco aqui ou não saiu palavra da minha boca? Às vezes isso acontece, não sei se disse, se pensei. Se lembrei ou sonhei. Você sabe. Queria inventar um advento tecnológico que funcionasse como um biógrafo-full-time. Um cacete microscópico qualquer grudado na pele, registrando tudo; tudo mesmo. Tem cidreira no meu bolso. Mas depois a gente sai daqui. Mascaremos tudo. De sidra às maçãs cidreiras das faces que nos são caras, escarlates por sob ou sobre nossas máscaras de escaras; de trevo às trevas que não sabemos se nos reserva melhor sorte, pior morte. Estar por dentro da escuridão é saber que no escuro somos todos negros. O que não está dado, não se joga; o que não se vê não se sente. Falei para não sentar porque se o que vejo brilhar aí não for dois rubis periga serem olhos de serpente. Ver de mais perto é provar se é madura ou se malevolente pica. Cobra de mim calar-me e peçonha comigo o mesmo plano oblíquo. Pensemos que sem saber se é cega, há; pois com certeza talvez ela esteja aí. Cego sempre houve, o que não ouve é surdo. Na essência, no âmago de si o osso: tenha tutano! Tenha sangue, mas não sangre. Nesse inferno arDemos por aJudas, e para isso o puteiro ou a igreja serviriam, mas aqui não sabemos; a amarelinha desse veneno é anti-douta, pois é no contrapulo que se decide o pisar ou não, para matar ou morrer. Certo é que a maldita é de não dar pé e não conhece outro brinquedo que não o pique-esconde. Picar a mula nem pensar, não é? Você sabe. Espere... troquemos de pele. Sejamos cobras em nosso ofício, ofídicos em interpretar nosso gênio ruim. Eu não sei você, mas tampouco sei eu. Você sabe? Eu sabia que não. Nós não somos mais do que soul. Comportadas em uníssono como um comum. Um único terror nas duas almas que percorrem o mesmo espinhaço. Uma vós que os espíritos do medo do espírito comungam. Um único arco de dois pilares, ruídos. Mas ouça, são tuas as vozes na minha cabeça. O que você tinha no teu bolso era a memória, o zumbido que falta no olvido não é pela pouca profundidade apesar da distância, mas o futuro lá fora, o que ficou atrás da gente. Sabemos demais por sermos jovens, o que se resolveria com o tempo. Vamos morrer aqui mesmo? Na vida que pedimos a Deus? Não! Que não pedimos por vida alguma antes da vida mesma; se fosse esta morte um acidente de trabalho e não de lazer devoluto seria devolVIDA. Tanto os nervos como os espasmos ecoam por que há o entorno. Calavam em nós porque é da essência mesma da cidreira, selvagem e verde, justamente como nós duazinhas aqui. Embota-nos como a bocarra do sono em seu bote. Não desmaie, ainda é março. Só sue para se manter convincente no papel de veranista, ainda estamos de férias. É a vida, a vida! Esses espelhos nos teus olhos, esses labirintos nos teus ouvidos, ambos me levam para fora daqui, bem agora. É seu único caráter e é meu único papel numa sucessão de momentos como esta entre nós. Saia comigo. Veja o dia ainda claro, até mais claro agora do que quando entramos, este amarelo no alto, que encarado de perto é amiúde tão negro. Ouça as abelhas zunindo atarefadas a polinizar a erva; escute o zunido delas que não é o do asar de seu vôo, mas o do azar de seu enjôo; o campo repleto de cidreira verdejante, de brancas flores, é seu escritório, sua sina; por uma questão de vício ou ofício, ao contrário de nós, estando em meio à clara amplidão, a abelha sonha zangada com o claustro escuro de sua colméia, ali apenas se sente mais si. E como nós duas, todas as abelhas são a mesma abelha. Não sei se você sabia. Sei que ainda nos vão ver e que nos lerão à luz de um sol do mesmo mel dessa nossa penúltima estação à sombra de um outro branco em flor. Está prestes a poder ser dito que estava escrito. Qualquer lugar é aqui e sempre haverá época. Verão apenas no final.


* Co-escrito com o parceiro jornalista plástico Robinson Machado

** Publicado em http://coletivoliterario.blogspot.com