Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

26 de julho de 2007

Mitografia

Nunca creias no verso lindo
Não estou a colorir a verdade
Eu que estou apenas mentindo
Artifícios sobre uma realidade
.
Faço crer em uma convincente fantasia
Estou sendo autêntico falsário da ilusão
Reelaboro as certezas como à joalheria
Para causar a melhor errônea impressão
Um conto de fadas que não se evidencia
Conto com inobservada falta de atenção
Cruzando essas pernas curtas de bijuteria
Para usar do simulacro ou da simulação
.
As fachadas mais sólidas com gesso
É fato que construo, tijolo por tijolo
Encubro com o rococó pouco espesso
De dezoito quilates por ouro de tolo
.
Desconfies sempre que me ver caricaturar
Sou aquele que promete quebrar um juramento
Procures-me nas entrelinhas que sei maquiar
Para que só me julgues por aquilo que aparento
Acautela-te com o esse perjúrio subliminar
Entendas que não o faço por arte de fingimento
Saibas que vais perder-te ao saber te achar
Ajo assim pelo teu, meu, mútuo entretenimento
.
O real significado sempre se escapa
Faço assim pois precisas ludibriar-te
Nunca mais julgues o livro pela capa
A vida sublimada se desvela em arte