Páginas

Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

24 de julho de 2007

Pocilga Literária

O ofício de trabalhar com tinta tem algo de porco. A proximidade com algo que mancha, borra... Sobretudo o escritor, que trabalha com o absurdo e a desgraça da condição humana, filtrando os detritos da sociedade. Tento melhorar o papel em branco, mas enquanto o faço, às vezes, sinto que estou fazendo somente gastar tinta e sujá-lo, mas continuo escrevendo; parece-me que lanço uma quantidade infinita de signos na página, cada um deles um argumento, cada palavra querendo discordar inutilmente do nada, do vazio do papel. A estúpida suposta pureza do branco entre linhas finas é dado, é o anfitrião, e o escritor é o visitante rude e agressivo que discute acaloradamente com ele, o primeiro é calado e ataráxico, argumenta apenas com seu silêncio sereno e pacífico, e o segundo é um ignorante falastrão que nunca quer ceder e que só acha que convence pela violência barulhenta das letras e dos fonemas, agride-o com tinta. Quando o redator se cansa e vê o que fez, percebe que só fez sujeira, um servicinho asqueroso e nojento, com seus garranchos ele embute na página com extremo exagero seus desconexos argumentos: pensamentos gordurosos e miudezas estéticas encobertos por uma fina película de incapacidade intestina. A página ainda assim contem mais branco do que tinta, o que o motiva a recomeçar. Carrega nas tintas. Literatura é uma porcaria, escreve bem quem melhor sabe encher lingüiça.